Perdidos e achados

O país tem sido bombardeado com desgraças e mais desgraças, a vários níveis. É o crescente desemprego e a consequente falta de confiança no presente e no futuro, uma catástrofe; – é o crescente número de dependentes dos subsídios estatais, daqueles e daquelas que, mesmo com ofertas de trabalho, preferem ficar sossegadamente em casa,  porque mais rentável;  – são os problemas na

esfera escolar, onde os professores têm cada vez menos autoridade e estão sujeitos a todos os tipos de atropelos. Professores agredidos física e psicologicamente, desprezados, humilhados, por certos alunos e, pior, por alguns pais e mães sem meias medidas, desajuizados; – são os sucessivos acidentes mortais ou potencialmente graves com crianças; – são programas de televisão que revelam um desnorte completo, sem interesse, sem relevância, brancos, vazios, deseducativos…; – são políticos, pessoas de grande responsabilidade a defender os seus mesquinhos interesses e a atropelarem tudo e todos para garantirem os seus elevados proveitos; – são os jovens sem esperança, desencantados, porque não têm espaço para “crescer” e se inserirem e(a)fectivamente neste tipo de sociedade; – são muitas famílias completamente desestruturadas, por variadíssimas razões; – é a banca a seduzir tudo e todos para o afundamento neste crescente poço da crise; – é a bola de neve do consumo que arruína, mesmo os mais cautos… – é…! – é…! – é…! Tanta coisa mais.

Depois de um percurso histórico notável, contra deuses e marés, como relata Camões na sua epopeia, como sabemos todos pelos dados da nossa real história de Portugal, encontramo-nos, hoje, para desgraça nossa, num total marasmo, sem ideias, sem projectos, sem rumo.

O que queremos? Para onde vamos? Que legado aos vindouros???

Grassa a sovinice, o safe-se quem puder, o eu primeiro, depois o outro… E entre estes há os mais frágeis, como as crianças e os velhos. Quem lhes devolve a felicidade e a esperança? Quem inverte o rumo desta velha e cansada Europa? Quem inverte o rumo deste “cantinho à beira mar plantado”? Quem reinven

ta homens que pensem mais nos outros que em si mesmos? Quem inventa

uma sociedade justa, que ame a vida, que zele pelos interesses das crianças, pela sua educação…

pelos seus direitos? Quem inventa quem invente?

Resta-nos o sonho, que se cumpram as palavras de F. Pessoa, porque

(…)
“O sonho é ver as formas invisíveis
Da distância imprecisa, e, com sensíveis
Movimentos da esp’rança e da vontade,
Buscar na linha fria do horizonte
A árvore, a praia, a flor, a ave, a fonte …
Os beijos merecidos da Verdade”.
José Manuel Couto
About these ads

0 Responses to “Perdidos e achados”



  1. Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s




Calendário

Março 2009
D S T Q Q S S
« Fev   Abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Arquivos

Estatísticas do Blog

  • 28,720 visitas

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: